Feeds:
Posts
Comentários

2010

Para constar:

1) Robyn – Body Talk
2) The Roots – How I Got Over
3) Vampire Weekend – Contra
4) The Dream – Love King
5) These New Puritans – Hidden
6) Laura Merling – I Speak Because I Can
7) Superchunk – Majesty Shredding
8 ) The National – High Violet
9) Curren$y – Pilot Talk
10) Spoon – Tranference
11) Ghostface Killah – Apollo Kids
12) The Fall – Our Future Your Clutter
13) The Gaslight Anthem – American Slang
14) Sade – Soldier of Love
15) Elizabeth Cook – Welder
16) Broken Social Scene – Forgiveness Rock Record
17) Kanye West – My Beautiful Dark Twisted Fantasy
18) John Legend/The Roots – Wake Up
19) Little Brother – Leftback
20) Liars – Sisterworld

Anúncios

Melhores de 2009

Para não deixar o ano passar em branco.

Menções honrosas: And You Know Us By the Trail of the Dead – The Century of Self; Annie – Don’t Stop; Atlas Sound – Logos; Babe Terror – Weekend; Bear in Heaven – Beast Rest Fourth North; Bill Callahan – Sometimes I Wish We were an Eagle; Brad Paisley – American Saturday Night; Cage – Depart from Me; Cass McCombs – Catacombs; Dalek – Gutter Tatics; Dananananaykroyd – Hey Everyone!;  Editors – In This Light on this Evening; Gucci Mane – The State Vs. Redrick Davis; Japandroids – Post Nothing; Jenny Wilson – Hardships!;  Luke Haines – 21st Century Man; Matias Aguayo – Ay Ay Ay; Metric – Fantasies; Mew – No More Stories Are Told Today I’m Sorry They Washed Away No More Stories The World Is Grey I’m Tired Let’s Wash Away; My Latest Novel – Death and Entrances; New Rhodes – Everybody Loves a Scene; Steve Earle – Townes; Super Furry Animals – Dark Lights/Light Years; The Rural Alberta Advantage – Hometowns; The Thermals – Now I Can See

50. The Clientele – Bonfires of the Health
49. Georgia Anne Muldrow – Umsindo
48. Broadcast and the Focus Group – Broadcast and the Focus Group Investigate Witch Cults of the Radio Age
47. Dinosaur Jr. – Farm
46. The Pains of Being Pure at Heart – The Pains of Being Pure at Heart
45. Zomby – Where were you in 92?
44. JJ – JJ n2
43. Reigning Sound – Love and Curses
42. Emmy the Great – First Love
41. K’Naan – Troubadour
40. Engineers – Three Fact Fader
39. The Flaming Lips – Embryonic
38. Art Brut – Art Brut vs Satan
37. We Were Promised Jetpacks – These Four Walls
36. Bob Dylan – Together Through Life
35. Girls – Album
34. The Big Pink – A Brief History of Love
33. Patterson Hood – Murdering Oscar (and other stories)
32. The Antlers – Hospice
31. DJ Quick & Karupt – BlaQkout
30. Tanya Morgan – Brooklynati
29. Jarvis Cocker – Further Complications
28. La Roux – La Roux
27. Manic Street Preachers – Journal for Plague Lovers
26. P.O.S. – Never Better
25. Royksopp – Junior
24. St Vincent – Actor
23. Passion Pit – Manners
22. Wale – Attention Deficit
21. Miranda Lambert – Revolution
20. Brother Ali – Us
19. Grammatics – Grammatics
18. The Juan McLean – The future will come
17. DOOM – Born Like This
16. The Dream – Love Vs Money
15. Franz Ferdinand – Tonight: Franz Ferdinand
14. British Sea Power – Man of Aran
13. Busdriver – Jheli Beam
12. Animal Collective – Merriwather Post Pavilion
11. Themselves – Crossdown
10. White Rabbits – It’s Frightning
9. Raekwon – Only Built for the Cuban Linx Part 2
8. The Horrors – Primary Colours
7. Dirty Projectors – Bitte Orca
6. Phoenix – Wolfgang Amadeus Phoenix
5. Mos Def – The Ecstatic
4. Micachu & The Shapes – Jewellry
3. Wild Beasts – Two Dancers
2. The XX – XX
1. Maxwell – BLACKsummer’snight

Voltando

Retomando os trabalhos do blog. A cada dia fico mais impressionado com este disco novo do The Horrors. O primeiro disco dos caras é uma bobagem, mas este Primary Colors é algo especial. Esta última faixa é brilhante.

Se o primeiro solo de Jarvis Cocker era provavelmente o melhor álbum solo de alguma figura ligada ao rock inglês dos anos 90 (com a possível exceção de Luke Haines, mas toda a carreira de Haines no fundo é solo independente do nome com que assina), este Further Complications busca justamente impedir que uma afirmação como essa. Cocker parece querer justamente cavar um espaço próprio a parte da descrição “ex-vocalista de Pulp”. Não surpreende portanto que seja um disco mais difuso que por vezes salta faixa a faixa de forma um tanto grosseira, mas ao mesmo tempo tem um frescor maior que Jarvis. Muitos provavelmente irão se centrar na produção de Steve Albini e no tom mais barulhento de boa parte das canções, mas isto não me parece tão vital. Basta pensar no duo “Leftovers” e “I Never Said I Was Deep”, canções que podiam até estar no disco anterior, mas que se diferenciam justamente por serem pensadas a partir de um contexto diferente (no lugar de simplesmente serem apresentadas num outro contexto). Further Complications apresenta um Cocker que parece ter desistido de ser o Scott Walker da sua geração e se aproximar mais de um Nick Cave. Nem tudo aqui funciona perfeitamente (o primeiro single Ângela é uma imitação frustrada de T. Rex), mas Cocker parece muito a vontade e há canções excelentes como “Fuckinsong” ou “Homewrecker!” (sem falar na excelente You’re in My Eyes (discosong)” que encerra o disco).

Não existe nenhuma razão para comentar estes dois discos juntos tirando o fato deles serem organizados na minha coleção quase em seqüência (meu iTunes se recusou a tirar o MF do DOOM) e por conta disso eu escutá-los juntos quase todos os dias e que a pouco mais de hora que passo por dia em companhia deste dois discos é sempre um grande prazer.

De qualquer forma pode-se dizer que Daniel Dumile e Mica Levi tem em comum a mesma posição de operários-exploradores da musica pop. Logo Born Like This e Jewellry não são tão coesos como digamos Merriwather Post Pavillion, mas compensam na forma como se lançam nas possibilidades do seu material. São álbuns que podem soar como meras curiosidades na primeira audição, mas se tornam cada vez mais viciantes na medida em que nos envolvem na suas sonoridades próprias.

O que primeiro impressiona em Born Like This é o trabalho vocal. Não que a produção deixe a desejar, como todos os trabalhos de Dumile desde os tempos de KMD, o álbum tem bases sempre criativas e expressivas, mas DOOM parece encontrar aqui ainda mais formas de nos levar pelos seus versos curtos. Basta pensar em “Angelz”, parceria com Ghostface, que é um primor de narração abstrata que pode ser visto como equivalente hiphop de um filme do Tsui Hark. DOOM está tão inspirado que até “Batty Boyz”, onde ele parece disposto a produzir os três minutos de insultos homofóbicos mais concentrados da música pop recente, termina como mais do que uma simples extensão da gag sobre a sexualidade de Batman e Robin. Depois de passar a primeira metade da década explorando sua imagem até a quase caricatura na altura das obras-primas Madvillainy e The Mouse and The Mask, Dumile tirou MF DOOM de circulação e até chegou a encenar alguns happenings em que era substituído por um sósia para desespero dos fãs. DOOM como projeto sempre foi altamente conceitual: um excelente MC alternativo se escondendo – literalmente – por trás da mascara do supervilão de cultura pop para inserir restaurar o que a primeira vista só poderia ser uma grande piada com convicções e obsessões bem sérias. Não surpreende que tenha alcançado um pico criativo quando sua identidade parecia tão próxima do desgaste e que o silêncio se seguiu a um movimento de restauração tão forte. Tudo em Born Like This aponta para esta idéia da opção de abrir mão do MF no nome ao uso de material já surrado (Angelz já e conhecida dos fãs faz algum tempo e algumas bases são requentadas) que se revelam menos preguiça e mais como uma forma de recontextualizar a sua própria figura. Born Like This não deixa de ser um espelho de Operation Doomsday (primeiro disco de DOOM), outra origem de supervilão devidamente reciclada e atualizada. E como resistir a algo como “Cellz”? (Para quem é menos chegado em hip hop recomendo ao menos procurar o remix do Thom Yorke para a ótima “Gazzillion Ear”).

Jewellery é um disco de estréia logo é inevitável que tenhamos menos história com Micachu & The Shapes e que seu frescor seja maior. Não sei se o maior mérito do disco seja de Levi e seus comparsas ou do rodado produtor Matthew Herbert. Sei que cada faixa de Jewellry parece teimar em seguir uma direção inesperada. Se eu comparei DOOM a Tsui Hark (se bem que pensando melhor James Ellroy talvez fosse melhor), o trabalho de Micachu está mais para os filmes recentes de Arnaud Despalchin e seu desejo de testar 244 idéias ao mesmo tempo e em direções por vezes conflitantes. Como o cineasta francês Micachu & The Shapes parecem movidos a lançar cada milímetro de cultura pop que em algum momento consumiram e nenhum interesseem permanecer nele por mais que trinta segundos. Entre os grandes álbuns de 2009 certamente não haverá nada tão pouco orgânico como Jewellery, mas também nada tão contemporâneo e grudento.

Momento Twitter

Existe algo mais temeroso este ano do que o disco novo do Manic Street Preachers?

Pazz and Jop

Meio tarde para falar de melhores do ano passado, mas como o blog tem seus períodos de longos silêncios acabei não postando o Pazz and Jop, a lista de melhores do ano do Villa Voice, à época. O que torna o Pazz and Jop muito interessante é que o Voice pede lista para um numero muito amplo de críticos das mais variadas preferências (neste ano 579 participantes com 1671 discos votados), o que tende a apresentar uma geral do que seria o consenso da crítica musical americana. A edição completa está aqui.

1) TV on the Radio, DEAR SCIENCE,
2) Vampire Weekend, VAMPIRE WEEKEND
3) Portishead, THIRD
4) Fleet Foxes, FLEET FOXES
5) Erykah Badu, NEW AMERYKAH, PT. 1: 4TH WORLD WAR
6) Lil Wayne, THA CARTER III
7) Santogold, SANTOGOLD
8 ) Bon Iver, FOR EMMA, FOREVER AGO *
9) Nick Cave and the Bad Seeds, DIG!!! LAZARUS DIG!!!
10) Kanye West, 808S & HEARTBREAK
11) Deerhunter, MICROCASTLE/WEIRD ERA CONTINUED
12) Randy Newman, HARPS AND ANGELS
13) The Hold Steady, STAY POSITIVE
14) No Age, NOUNS
15) Girl Talk, FEED THE ANIMALS
16) My Morning Jacket, EVIL URGES
17) MGMT, ORACULAR SPECTACULAR *
18) Hercules and Love Affair, HERCULES AND LOVE AFFAIR
19) Raphael Saadiq, THE WAY I SEE IT
20) Bob Dylan, THE BOOTLEG SERIES, VOL. 8: TELL TALE SIGNS – RARE AND UNRELEASED 1989-2006
21) Coldplay, VIVA LA VIDA, OR DEATH AND ALL HIS FRIENDS
22) Los Campesinos!, HOLD ON NOW, YOUNGSTER…
23) Cut Copy, IN GHOST COLOURS
24) The Gaslight Anthem, THE ’59 SOUND
25) R.E.M., ACCELERATE
26)Q-Tip, THE RENAISSANCE
27) Drive-By Truckers, BRIGHTER THAN CREATION’S DARK
28) M83, SATURDAYS=YOUTH
29) David Byrne & Brian Eno, EVERYTHING THAT HAPPENS WILL HAPPEN TODAY
30) She & Him, VOLUME ONE
31) Torche, MEANDERTHAL
32) The Walkmen, YOU & ME
33) Hot Chip, MADE IN THE DARK
34) Frightened Rabbit, THE MIDNIGHT ORGAN FIGHT
35) Kings Of Leon, ONLY BY THE NIGHT
36) Alejandro Escovedo, REAL ANIMAL
37) Metallica, DEATH MAGNETIC
38) Fucked Up, THE CHEMISTRY OF COMMON LIFE
39) Roots, RISING DOWN
40) T.I., PAPER TRAIL
41) Beck, MODERN GUILT
42) Blitzen Trapper, FURR
43) Stephen Malkmus and the Jicks, REAL EMOTIONAL TRASH
44) Gang Gang Dance, SAINT DYMPHNA
45) Elbow, THE SELDOM SEEN KID
46) Death Cab For Cutie, NARROW STAIRS
47) Al Green, LAY IT DOWN
48) Young Jeezy, THE RECESSION
49) The Magnetic Fields, DISTORTION
50) Vivian Girls, VIVIAN GIRLS